Ppal Bronceador

Conheça a história do protetor solar


Você sabia que os protetores solares existem há milhares de anos? E que, embora o sol fosse considerado rei em algumas civilizações, muitas pessoas também se protegiam dele, a fim de evitar danos em suas peles? Saiba mais sobre a origem e a evolução desse produto.

A proteção contra os raios solares está presente na vida do homem há milhares de anos. E não apenas nas férias, sejam elas na praia ou na neve. O importante é a proteção constante, em qualquer época do ano, já que os raios nocivos não descansam nem se escondem nunca.

As origens do protetor solar datam de 7500 a.C., quando os egípcios perceberam que o sol podia causar danos à pele. Por isso, eles passaram a usar misturas para se proteger durante todo o dia. A pasta era composta de óleo de amêndoas, jasmim e magnólia. Anos depois, por volta de 400 a.C., a mistura passou a ser feita com areia e azeite de oliva. Os atletas da época a usavam para proteger seus troncos do sol durante as competições.

historia-del-bronceador-BR

No século V, na Idade Média, as mulheres usavam diferentes óleos de origem vegetal no corpo, também para se proteger do sol. Séculos depois, começaram a ser vendidas loções vegetais de esculina (um tipo de molécula vegetal), eficazes para dar mais proteção.

Em 1800, o físico alemão Johann Wilhelm Ritter descobriu os raios ultravioleta (UV) do sol. Com o tempo, diversos cientistas começaram a pesquisar seus efeitos sobre a pele.

Cem anos mais tarde, a pele bronzeada virou moda na França e se espalhou por toda a Europa. O auge se deu em 1930, quando todos tomavam sol, porém praticamente sem qualquer cuidado com a pele. Naquela época, começou a ser comercializada a primeira loção bronzeadora, de nome Huile de Chaldee.

Happy young woman in swimsuit applying sun block cremeEm 1944, Benjamin Greene criou o primeiro protetor solar contra os raios nocivos do sol, após observar diversas queimaduras sofridas por soldados que lutaram na Segunda Guerra Mundial. O produto, vermelho e espesso, era feito à base de petróleo.

O Coppertone foi o protetor solar mais popular dos anos 1950. Ele foi lançado no mercado depois que a empresa farmacêutica Merck & Co. registrou a patente do creme. A novidade não apenas protegia, como também ajudava a bronzear a pele, o que era um sonho para muitos na época.

Em 1956, o professor R. Schultze estabeleceu o conceito do Fator de Proteção Solar (FPS), que, no entanto, só se popularizou entre os protetores 20 anos mais tarde.

Desde então, estes produtos continuaram evoluindo, com diversos tipos de proteção e diferentes texturas para cada tipo de pele. O ano de 2005 foi marcado pelo boom dos autobronzeadores, que dispensavam a exposição ao sol para conseguir uma pele morena.

A Avon, uma das maiores empresas cosméticas do mundo, não ficou para trás e criou sua própria linha de protetores solares. Em 2013, ela lançou o Avon Sun Protect & Glow, que protege dos raios solares, potencializando e acelerando o bronzeado de forma natural. Além disso, o protetor é resistente à água e vem nas versões loção, creme e spray.

Young woman protecting herself from the sun's harmful raysQual a diferença entre os raios UVB e UVA?

Os raios ultravioletas (UV) são as radiações eletromagnéticas emitidas pelo sol através de ondas. Quando entram contato com nossa pele, o corpo produz maior quantidade de melanina, como mecanismo de proteção. Por isso, a pele fica mais escura.

Esses raios se dividem em três: os UVC, absorvidos pela camada de ozônio, e os UVA e UVB, que chegam à superfície terrestre. Os dois últimos podem causar vários danos à pele, desde queimaduras a mudanças celulares (já que o corpo tenta se proteger naturalmente). Por isso, é importante se proteger com bloqueadores, óculos de sol e roupas apropriadas.

Outro fator importante é o reflexo produzido pelas superfícies. Você sabia que a neve reflete 85% dos raios solares, enquanto a areia da praia, apenas 15%? Por isso, é fundamental sempre se proteger, independente da época do ano ou do destino das férias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *